quarta-feira, 17 de abril de 2013

Maratona de Boston 2013


Uma experiência de viagem linda, e ao mesmo tempo inacreditável...

Desde que chegamos à Boston, mesmo 15 dias antes do evento, o espirito e marketing da Maratona 2013 estavam por toda parte.  Nos dias anteriores então a cidade começou a fervilhar, todo  mundo vestindo as camisetas e agasalhos, uma festa para os olhos.


No dia da prova, até eu que não sou muito ligada em esportes, mas na companhia de uma esportista de primeira, estava entusiasmada para  o evento. Dava para ver a reta final da nossa janela, mas lógico que fomos para lá sentir o clima e a vibração de pertinho.


Quando estávamos chegando passaram os primeiros cadeirantes. Depois passaram muitos outros, e uma onda de aplausos e incentivos ia surgindo a cada novo atleta que aparecia na esquina anterior.
 
O policiamento estava intenso, um vigilante a cada 2 ou 3 metros. Muitas famílias, crianças, idosos, gente com cartazes incentivando algum parente participando. Uma festa linda!


Ficamos ali na grade, uns 300 metros antes da linha de chegada, por umas 2 horas.
 

Vimos a primeira atleta feminina disparada da frente chegando, ...


... e antes dela a segurança aumentada com mais policiais de bicicleta ...

... os primeiros masculinos, ...

... veteranos de guerra cadeirantes muito aplaudidos, ...

... a grande massa de atletas, ...

... um pai com seu filho cadeirante, ...


...  e um atleta cego.
 

A segurança adicional de bicicleta foi embora.


Eu estava me divertindo pacas e ainda ficaria muito tempo por ali. Minha filha estava com fome e frio e questionou se eu ia ficar esperando 27 000 atletas passarem. Almoçamos no Jaffa Café, um restaurante que passávamos diariamente a caminho do metrô, tinha um adesivo do Trip Advisor na porta e o mais importante: ainda não estava cheio.  Achei bem fraquinho...











Como estava um dia ensolarado e divertido, resolvemos depois do almoço caminhar até a linha de chegada.


Ainda tinha muita gente por lá, famílias com crianças saudando e abraçando os atletas chegando.


Meu anjinho da guarda aguçou ainda mais meu espírito curioso e falei para a Nani que queria ir mais pra frente ver o que acontecia depois da chegada. Fomos caminhando e fotografando

Foi surreal...  Ouvimos uma primeira explosão.  Comentei: "Que susto! quem foi o estrupício que fez isso?". Ai a Nani respondeu: "Mãe, estamos nos Estados Unidos, não tem essa de brincadeira, isso é sério!". Olhamos e vimos uma nuvem de fumaça. Ai,  ouvimos o segundo estrondo. Nessa hora a Nani pensou: QUANDO e ONDE vai ser a terceira... Graças a Deus não houve uma terceira. Não fotografamos, mas a imagem da fumaça subindo vai ficar para sempre nas nossas mentes. Todo mundo em volta começou a andar, pois estavamos há uns 100 m do local da explosão e não sabíamos o que era.

Fomos para o Boston Common, um parque lá perto. As pessoas caminhando para um lado e os bombeiros e policiais com sirenes a toda para o outro lado. Passou uma ambulância e Nani comentou: "Que pena, teve feridos."  Sentamos num banco e ficamos lá tentando adivinhar o que estava acontecendo. Começamos a ver as famílias se reencontrando, todo mundo chorando e nos telefones dando notícias.  Até um músico que estava tocando por lá começou a tocar a  Tristesse de Chopin.

Foi ai que pensamos em entrar num Starbucks e usar a internet para ter certeza do que estava acontecendo e dar notícias.  Muita gente foi chegando também, inclusive corredores.  Algum tempo depois nos avisaram que por motivo de segurança iam fechar a loja. 
Voltamos caminhando em direção a  nossa Guest House. Tinham isolado o canteiro central da Commonwealth e montado barracas de campanha, tudo muito rápido!
 

Chegamos no quarteirão da nossa rua e estava bloqueado, pois era dentro do considerado "crime scene". O policial mandou entrarmos e não sair mais.  A vista da janela agora era outra...
 

Ficamos a noite toda trancadas, sem internet, comendo  as sobras que tinhamos na geladeira e vendo na CNN toda a tragédia que aconteceu.  Ainda não caiu muito a ficha de tudo... Parece um filme...

Não escrevo muito no meu blog. Nunca havia postado durante uma viagem, mas eu tinha que mostrar aqui, enquanto as lembranças e os sentimentos estão fresquinhos na cabeça, a festa linda que vimos, e que algum indivíduo ou alguma organização idiota substituiu por uma tragédia.

Foi a maneira que eu e a Nani encontramos de agradecer  as muitas mensagens carinhosas de amigos queridos preocupados com a gente.

sábado, 23 de fevereiro de 2013

BLOGAGEM COLETIVA:- Foto Jacu - você ainda vai ter uma!


Quando a Silvia Oliveira do blog Matraqueando publicou um post sobre fotos jacus, daquelas que a gente tira em todas as viagens,  eu estava na praia só com o celular e não pude curtir muito. Mas a coisa repercutiu tantos nas redes sociais que ela propôs uma Blogagem Coletiva, com regras e tudo. E ai a jacuzice correu solta... Já de volta quase fiquei  sem folego de tanto rir, quando entrei nos blogs participantes. Pois é, descobri  que tenho fotos em quase todas as categorias (a Clarisse do Dondeando por ai categorizou as jacuzices) e ai resolvi entrar na brincadeira para tirar a poeira do blog.  
Caricaturas?
Com diz o ditado: "família que tira foto jacu unida, permanece unida" (no Caminito em Buenos Aires).  E lá se vão pra mais de 35 anos desta família...


Com personagens?
As filhas entraram na brincadeira, pois quem resistiria tirar uma foto com Papai Noel na casa dele em Rovaniemi na Finlândia...
... ou com este simpático espantalho na região vinícola de Stellenbosh  na Árica do Sul.

Mas tem também as minhas jacuzices  solo, que são as campeãs. Pois é, sempre temos uma alma boa para colaborar e bater a foto. 

Imitando estátua?
A clássica do Rocky Balboa na Philadelfia.

Segurando monumentos?
Que tal o Obelisco na palma da mão em Washington DC .

Abraçando paisagens?
Tem o Monte Fuji no Japão, que me custou um tombo de um degrauzinho de nada ...
 
... e me obrigou a segurar a Europa e a Ásia em Istambul de joelheira.
 

Imitando as estrelas?
Os  Beatles na faixa de pedestres (de kimono e chinelinho) em Atami no Japão...
... e a Carmen Miranda na calçada da fama em Hollywood.



Com um pé de cada lado?
Na Victoria Falls Bridge entre a Zâmbia e o Zimbabwe...
...  e em  cima do Círculo Polar Ártico ...
 
Em posição zen?
No Lake Taho.


Fazendo o famoso V?
Toda tímida na ilha de Miyajima no Japão.

Interagindo com animais?
Morrendo de medo de acariciar o leãozinho mesmo dormindo no Lion Park em Johannesburg ...

... e toda ressabiada para alimentar meu elefante na Zambia.
 

Saltinho-uhu?
Meu joelho não me permite tirar fotos nesta categoria. Mas como sou especialista em tirá-las da Nani, ela vai entrar na brincadeira por uso capião. Na praia do Toque em Alagoas...
...  e no Grand Canyon do Yellowstone.
 
E estas foram só da era digital. Já imaginaram se eu resolvesse abrir minhas dezenas de albuns antigos?
Ia dar muito trabalho para scannear...
Foto Jacu?
Pode ser, mas eu me diverti pra chuchu quando tirei e agora fazendo este post.
 
Quer participar também?
Faça um post contando e mostrando seus momentos jacus.
Use a hashtag #fotojacu ao divulgar o post.
Mande o link do seu post para a Silvia do Matraqueando.

Quer se divertir com quem já entrou na brincadeira?
Clique nos post dos blogs partipantes:
13 Anos Depois… | Por Mirelle Matias

360 Meridianos | Por Luiza, Natalia e Rafael

Across The Universe | Por Marcelo Lemos

Andreza Dica e Indica Disney | Por Andreza Trivillin

Aventuramango | Por Jodrian Freitas

Aventure-se | Por Rodrigo Nominato

Baianos no Polo Norte | Por Levi

Blog Meu Destino | Por André Morato

Blog do Xan | Por Alexandre Lima

Carpe Diem | Por Cris Tomasi

Catálogo de Viagens | Por Liliana Stahr

Colecionando Imãs | Por Camila Torres

De Garfos e De Quartos | Por Pati Venturini

Despertar ao Mundo | Por Josette Leprevost

Destino Mundo Afora | Por Tatiana Dornelles

Destino Provence | Por Natalia Itabayana

De Turista a Viajante  | Por Silmara Colombo

De uns tempos pra cá | Por Carmen Silvia

Do Oiapoque a Nova Iorque | Por Selene Soares

Dudu Afora  | Por Eduardo Monteiro Gomes

Falo, Logo Reclamo  | Por Carla Ricci

Férias de Mochila | Por Beta Rodrigues

Gosto e Pronto | Por Debora Segnini

Janelas Abertas | Por Luisa Ferreira

Lido & Feito | Por Margareth Bastos

Mala de Rodinha e Necessarie | Por Celina Martins

MauOscar | Por Maurício e Oscar

Mikix | Por Mirella Matthiesen

No Mundo da Mari | Por Mariana Laudeauser

Paris por Fabi | Por Fabiana

Pelo Mundo Blog | Por Ana Luiza e Patricia

Por Onde Andei | Mô Gribel

Porque tô de folga | Por Lenina Velloso

Preciso Viajar | Por Fernanda Souza

Psiulândia | Por Ana Oliveira

Relatos de Viagem da Paulinha | Por Paula Souza

ReVivendo Viagens | Por Renata Campos

Super Linda | Por Raquel Ramos dos Anjos

Sundaycooks | Por Natalie Soares e Fred Marvila

Trilha Marupiara | Por Kellen Bittencourt

Turismo Backpacker | Por Douglas Sawaki e Júlia Sawaki

Turista Profissional | Por  Ana Catarina Portugal

Viajando Mundo Afora | Por Debora Bordin

Viagem a Dois | Por Rachel e Luciano

Viaggiando | Por Camila Navarro

Vivendo Plenamente Paris | Por

Vivi em UK | Por Milena Fischborn Moury

Ziga da Zuca | Por Natália Gastão

 







 
 
 
 
 
 
 
 

sábado, 25 de agosto de 2012

SEGUNDO ANIVERSÁRIO DO BLOG


Capítulo II - As viagens da minha vida ou a minha vida através das viagens


O Viagem com a Flora fez dois anos no mês passado, exatamente no dia 07 de Julho, comemorado do jeito que mais gosto: viajando. Desta vez com a Nani por dois dos parques nacionais americanos: o Grand Teton e o Yellowstone.


Continuo não muito dedicada a ele neste segundo ano: só mais 4 posts. Mesmo assim, teve a honra de receber 6500 visitas nestes 2 anos de vida. Foi também citado no Viagem na Viagem do Riq Freire neste post sobre a Rússia e no Domingão deTwitadas sobre a Turquia do Diário de Mochileiro. Desta vez não vou prometer ser mais assídua, mas escrever sempre que alguma saudade de viagem aparecer.

E como adoro comemorar aniversários, tirei do baú de recordações viageiras mais um pensamento e o Capítulo II do meu “ A Woman´s Travel Journal” (clique aqui se quiser saber a estória dele):

“ I craved to go beyond the garden gate, to follow the road that passed it by, and to set out for the Unknow… I dreamed of the hills, immense desert steppes and impassable landscapes of glaciers! ”- Alexandra David-Neel (1868-1969) French travel writer

 
Assim como a jovem e inquieta autora do pensamento acima (que viveu 101 anos viajando pelo mundo), eu também sonhava em atravessar o portão e sair por ai... além do eixo São Carlos-Borborema (e viver 101 anos viajando, é claro!).
Meu grande sonho era ir para a Europa, conhecer os lugares que via nas apresentações de slides do tio Miro e das amigas das minhas tias. Mas... este sonho só foi realizado muito tempo depois, quando já tinha 40 anos (Áustria, Alemanha e Hungria acompanhando o marido a um congresso). E ai, ninguém mais me segurou...


Consegui fazer minhas duas primeiras viagens turísticas aos 18 e 21 anos, ambas em companhia da Tia Dinha, outra figura da minha vida que adorava viajar e que rodou um bocado por este Brasil e pela Europa.

A primeira delas, em 1968, foi para o Sul do Brasil. E não foi excursão não... Alugamos um perua Kombi com motorista (o Seu Mingão) e lá fomos nós, 7 mulheres por este Brasil a fora. Minhas companheiras de viagem eram conhecidas da tia Dinha e  nunca mais as encontrei. As fotos foram garimpadas do meu álbum de infância/juventude. Eu era a mais novinha...



Fomos pelo centro e voltamos pelo litoral. Passamos por Curitiba e pelo Parque Estadual de Vila Velha, criado 2 anos antes, em 1966...


Atravessamos o Rio Pelotas na divisa dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.



Visitamos uma vinícola caseira dos Padres Passionistas em Forqueta, perto de Caxias do Sul. Fui muitas vezes comprar vinho deles no Convento de São Carlos para minha avó Antonieta. O gosto pelo vinho tem DNA... numa época em que não era moda tomar vinho e visitar vinícolas.










Gramado e Canela não faltaram no roteiro, ...











... e as atrações turísticas de Porto Alegre registradas no meu album foram a ponte levadiça sobre o Rio Guaíba (Ponte Getúlio Vargas) e o Cemitério Vertical São Miguel e Almas.









Na Lagoa da Conceição em Florianópolis entrei pela primeira vez no mar e comi meu primeiro rodízio de camarão. Ambos inesquecíveis, mesmo mais de 40 anos depois.


                                                                                                        
A segunda das minhas viagens turísticas foi em Fevereiro de 1971, para Foz do Iguaçu. Nesta fomos de excursão em ônibus leito pela Transatlantica Turismo (acho que não existe mais). Tenho uma única foto tirada por um fotógrafo com uma polaroid, revelada e comprada na hora. Minha primeira máquina fotográfica só foi comprada alguns anos depois.


Ficaram nas lembranças a imponência das cataratas, o respingo da agua no rosto e a euforia de pisar em 2 países fora do Brasil. Foi só uma visita às Cataratas do lado Argentino e umas comprinhas nas ruas esburacadas de Ciudad del Este no Paraguai, mas eram os dois primeiros países estrangeiros onde eu carimbava meu passaporte, ops... colocava meus pés.
É..., está na hora de voltar, para chegar de barco bem pertinho das cataratas...


A tia Dinha viajou muito na sua vida. Comigo, com as irmãs, amigas, sozinha, com as netas (minhas filhas). Era frequentadora assídua da nossa casa na Boracéia. Adorava o marzão de lá. A última viagem que fizemos juntas foi um réveillon familiar em Águas de Lindoia. Fez escola: três gerações com rodinhas nos pés...











Posts relacionados:

Desta vez vamos, o nascimento do Viaje com a Flora